50 pessoas mortas em ataque a missão católica na República Centro-Africana

 

Lisboa - Portugal (Quinta-feira, 10-08-2017, Gaudium Press) O bispo de Bangassou, na República Centro-Africana, denunciou a morte de 50 pessoas numa missão católica em Gambo, a 75 quilômetros da sede da diocese, informou a Agencia Ecclesia, hoje:

"Degolaram vários homens e crianças. Está tudo muito tenso", declarou Dom Juan José Aguirre.

A chacina de Gambo foi divulgada depois que, durante a Audiência pública semanal realizada na última quarta-feira, o Papa Francisco tenha denunciado a "violência homicida" contra os cristãos que vem sendo repetida insistentemente na República Centro-Africana.

Milícias, ONU, Chacinas, Vinganças

O denunciante, Dom Juan José Aguirre, é missionário comboniano, ao fazer sua acusação, indica também o confronto existente entre as milícias "anti-balaka", composta por cristãos, e os "seleka", muçulmanos, que é agravado ainda mais pela intervenção de soldados egípcios das forças coordenadas pela ONU na Missão das Nações Unidas para a Manutenção da Paz na República Centro-Africana.

Dom Aguirre relata que "Os soldados egípcios da MINUSCA expulsaram os anti-balaka, o que favoreceu o regresso dos seleka que aproveitaram para vingar-se degolando algumas dezenas de pessoas".

Ainda se referindo à situação em sua Diocese, o Bispo considera a situação "muito grave", alertando que a mesma "terá muito eco em Bangassou", onde "metade da população" já foi obrigada a fugir e que algumas casas religiosas foram saqueadas.

Em maio, o bispo de Bangassou, Dom Juan José Aguirre, foi resgatado dos guerrilheiros pelos comandos portugueses que estão a serviço das Nações Unidas na República Centro-Africana. (JSG)