São Gabriel aparece a Zacarias

 

Redação (Segunda-feira, 04-12-2017, Gaudium Press) Através da famosa profecia das 70 semanas de anos, o Arcanjo São Gabriel anunciara ao Profeta Daniel, em Babilônia, a data da vinda do Messias (cf. Dn 9, 20-27). Após o transcurso de cinco séculos, o mesmo Arcanjo aparece a São Zacarias, no Templo de Jerusalém, para lhe comunicar o nascimento do Precursor de Nosso Senhor Jesus Cristo.

0412São Gabriel aparece a Zacari as - Benedito Calisxto .jpg

"Justos diante de Deus"

São Zacarias e Santa Isabel, pais de São João Batista, pertenciam "à ilustre família de Aarão, a mais gloriosa que então existia depois da de Davi, da qual devia nascer o Messias". Mas eles "tinham ainda outra nobreza mais preciosa que a do sangue: a nobreza da virtude".

De fato, diz a Sagrada Escritura que "ambos eram justos diante de Deus e cumpriam fielmente todos os Mandamentos e preceitos do Senhor" (Lc 1, 6).

Zacarias era sacerdote, e esse elogio que dele faz São Lucas "é bem significativo durante o triste reino de Herodes, onde imperava, seja no povo judeu em geral, seja em particular entre os sacerdotes, uma tão profunda corrupção".

"Não tinham filhos, pois Isabel era estéril, e os dois eram de idade avançada" (Lc 1, 7). O Evangelista apresenta esses detalhes para melhor ressaltar o milagre que a seguir narrará. João Batista será uma criança nascida milagrosamente como outrora o Patriarca Isaac e o Profeta Samuel.

Santificado por Nossa Senhora

Esse virtuoso casal residia na cidade de Ain-Karim. Certo dia, São Zacarias dirigiu-se a Jerusalém para exercer no Templo funções sacerdotais, e foi sorteado para fazer a oferenda do incenso. Estando ele sozinho no Santuário para o incensamento - pois o povo nesse momento permanecia do lado de fora -, apareceu-lhe São Gabriel. Ele ficou com muito medo, mas o Arcanjo lhe disse:

"Não tenhas medo, Zacarias, porque o Senhor ouviu o teu pedido. Isabel, tua esposa, vai te dar um filho, e tu lhe porás o nome de João" (Lc 1, 13). O pedido de Zacarias não era para ter um filho, mas que viesse logo o Messias. Realmente, esse filho será o Precursor de Nosso Senhor.

"Muitos se alegrarão com seu nascimento" (Lc 1, 14). Além de Nossa Senhora, o único santo cuja vinda ao mundo a Igreja comemora é São João Batista; tal festa é celebrada em 24 de junho.

"Ele será grande diante do Senhor [...] e, desde o ventre da mãe, ficará cheio do Espírito Santo" (Lc 1, 15). "Ser grande diante de Deus não significa gozar das honras terrestres, mas possuir a virtude, a santidade em grau eminente."
Seis meses depois da concepção do Precursor, Nossa Senhora, em cujo seio virginal o Verbo de Deus Se encarnara, visitou Santa Isabel, que era sua prima, e saudou-a.

Afirma o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira:
"Ao ouvir a voz da Virgem Bendita, ao sentir a presença de Deus, o menino estremeceu de alegria. E, também de acordo com os teólogos, nesse momento, ainda no seio materno, ele foi santificado por Maria.

"Podemos conjecturar que Nossa Senhora comunicou, de um modo misterioso, algo do espírito d'Ela a São João Batista. E tudo quanto este fez em sua vida, era uma decorrência dessa graça inicial recebida pela intercessão de Maria, constantemente intensificada até atingir uma plenitude no momento de seu martírio."

Terá o espírito de Elias

O Arcanjo São Gabriel afirmou também que João Batista "caminhará à frente [dos israelitas] com o espírito e o poder de Elias" (Lc 1, 17). Três décadas depois, o próprio Nosso Senhor dirá que ele é outro Elias (cf. Mt 11, 14)

Santo Elias brilhou pela sua admirável combatividade contra o mal. Por exemplo, ele increpou o Rei Acab, os judeus coniventes com a idolatria e matou os 450 falsos profetas de Baal (cf. I Rs 18, 40). Em outra ocasião, fez descer por duas vezes fogo do céu para eliminar os soldados enviados pelo Rei Ocozias, que pretendiam prendê-lo (cf. II Rs 1, 9-12).

Assim também São João Batista fez increpações contra os fariseus e saduceus, chamando-os de víboras (cf. Mt 3, 7), e censurou firmemente o Rei Herodes Antipas, que mandou matá-lo.

O mutismo de Zacarias foi um símbolo

Entretanto, São Zacarias duvidou das palavras de São Gabriel, dizendo que ele e sua esposa eram de idade avançada. Então o Arcanjo declarou:
"Eu fui enviado para falar contigo e anunciar-te esta boa-nova. E agora ficarás mudo [...] até o dia em que estas coisas acontecerem, já que não acreditaste nas minhas palavras, que se cumprirão no tempo certo" (Lc 1, 19-20).

Tal mutismo ocorreu de imediato. Ao sair do Templo, Zacarias não podia falar com o povo que o aguardava; então "se comunicava com eles por meio de gestos" (Lc 1, 22).

Porque sua Fé falhou nesse momento, ele foi castigado com a mudez, que era um símbolo. "Ali estava figurado o silêncio ao qual a religião mosaica estaria proximamente reduzida pela propagação do Evangelho". De fato, São João Batista é o liame que une os dois Testamentos: abre o Novo ao mesmo tempo em que encerra o Antigo.

"Algum tempo depois, sua esposa Isabel ficou grávida [...]; ela dizia: ‘Assim o Senhor fez comigo nestes dias: Ele dignou-Se tirar a vergonha que pesava sobre mim'" (Lc 1, 24-25).

"Vergonha" porque "entre os judeus, e em geral em todo o Oriente, a privação de filhos sempre foi considerada um sinal de descontentamento divino e, consequentemente, uma grande humilhação".

Peçamos a intercessão de São Zacarias junto a Nossa Senhora para que Ela nos consiga um aumento de nossa Fé, a fim de termos absoluta certeza da vitória da Santa Igreja contra seus inimigos.

 

Por Paulo Francisco Martos
(in Noções de História Sagrada - 131)

 

..............................................................................


1 - FILLION, Louis-Claude. La sainte bible avec commentaires - Évangile selon S. Luc. Paris: Lethielleux. 1889, p. 32.
2 - FILLION, Louis-Claude. La sainte bible avec commentaires - Évangile selon S. Luc. Paris: Lethielleux. 1889, p. 32.
3 - CORRÊA DE OLIVEIRA, Plinio. São João Batista, precursor do Cordeiro de Deus. In Dr. Plinio, São Paulo. Ano VII, n. 75 (junho 2004), p. 23.
4 - FILLION, op. cit. p. 39
5 - Cf. FILLION, op. cit. p. 31.
6 - FILLION, op. cit. p. 40.