JMJ Panamá 2019 terá linguagem dos sinais para surdos

 

Panamá - Cidade do Panamá (Terça-feira, 13-03-2018, Gaudium Press) A Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que será realizada no Panamá em janeiro de 2019, será um evento próximo às pessoas surdas. Por esta razão, desde o final de janeiro, a Secretaria Nacional de Incapacidade (SENADIS) vem realizando uma série de cursos básicos em libras para os voluntários e colaboradores do encontro mundial, com uma duração de três semanas.

A série de cursos, que contam com o apoio da Associação Nacional de Surdos no Panamá, tem como objetivo encorajar as pessoas, especialmente os voluntários da JMJ, a aprender a se comunicar através da linguagem dos sinais, para assim favorecer a inclusão e uma maior proximidade das pessoas com deficiência auditiva.

JMJ Panamá 2019 terá linguagem de sinais para surdos.jpg

Recentemente ocorreu a cerimônia de encerramento do segundo Curso realizado por esta instituição de 19 de fevereiro à 09 de março, com a participação de 13 pessoas. De acordo com um comunicado de imprensa emitido pelo website oficial da JMJ Panamá 2019, os participantes aprenderam os fundamentos básicos da linguagem de sinais, o que "garante o acesso à comunicação das pessoas com deficiência auditiva e sua participação em espaços comunitários".

O terceiro curso começou no dia 12 de março e se estenderá até a sexta-feira, 30. O programa formativo, que compreende 15 cursos no total, se estenderá até novembro.

E é que a JMJ do Panamá quer ser espaço para todos, por esta razão, além dos cursos de Linguagem de Sinais, a SENADIS está realizando inspeções nas áreas por onde o Santo Padre passará, para verificar se as rampas estão em boas condições, com dimensões apropriadas, assim como os banheiros, para que sejam amigáveis com as pessoas com algum tipo de deficiência. Igualmente, estamos à procura de que o website da JMJ seja acessível à todos.

De acordo com Magali Díaz, vice-diretora da SENADIS, que foi entrevistada pela TVN, nos formulários de inscrição de peregrinos, se incluiu a opção para que a pessoa indique se têm ou não uma deficiência, assim como nos formulários da família anfitriã se pode marcar se estão dispostos à acomodar um peregrino com alguma deficiência; tudo com o propósito de oferecer uma maior atenção.

Além disso, a Secretaria Nacional de Incapacidade está desenvolvendo algumas estratégias de conscientização diante da necessidade de acolher pessoas com deficiência física para a Jornada da Juventude.

Dom José Domingo Ulloa, Arcebispo do Panamá, em uma mensagem disse que na JMJ ninguém pode se sentir excluído na organização e participação, sobretudo os jovens, a quem convidou a assumir de forma responsável a transformação que o mundo necessita. "O Panamá os espera com o coração e os braços abertos para compartilhar a Fé, sentir-nos Igreja, nesta grande festa espiritual, onde mostraremos ao mundo o rosto jovem da Igreja Católica", indicou. (EPC)