Papa se preocupa com os crimes cibernéticos

 

Cidade do Vaticano (Terça-feira, 15-05-2018, Gaudium Press) "Os progressos tecnológicos trazem muitos resultados positivos", mas não se pode subestimar o lado obscuro do novo mundo digital em que vivemos, onde nascem novas formas de atividades criminosas e formas antigas são aperfeiçoadas".

Papa se preocupa com os crimes cibernéticos.jpg

Esta afirmação é do Cardeal Pietro Parolim em uma Mensagem enviada para a reunião anual da Comissão para a Prevenção de Crimes e a Justiça Criminal (CCPCJ), que está sendo desenvolvida em Viena, na Áustria, e que neste ano este está dedicada ao tema do "crime cibernético".

A mensagem do Cardeal Secretário de Estado do Vaticano foi enviada aos participantes do encontro para manifestar a preocupação do Papa Francisco para com esta temática.

Crimes contra a infância

Pietro Parolin adverte, sobretudo, para os crimes que são cometidos contra a infância e afirma que "O Papa Francisco está convencido de que um desenvolvimento sustentável digno possa se realizar somente se as crianças forem colocadas no centro da atenção, favorecidas e protegidas nos anos decisivos de seu crescimento". E cita uma longa lista de crimes que, de acordo com Francisco não podem ser tolerados.

Entre os crimes intoleráveis, o Cardeal destaca a proliferação de imagens de violência e de pornografia, o cyberbulling, as formas de alistamento sexual na rede, a transmissão ao vivo de estupros e violências, assim como a organização online da prostituição e do tráfico de pessoas e o incitamento à violência e ao terrorismo.

Contribuição da Igreja: formação da consciência moral pública

"A Santa Sé e a Igreja Católica estão conscientes de sua contribuição para a formação da consciência moral e da conscientização pública", afirma o Cardeal Parolin, e garante a colaboração com as autoridades políticas e religiosas e com os gestores das tecnologias para que "as crianças possam crescer com serenidade num ambiente seguro".

O Secretário de Estado do Vaticano conclui a mensagem afirmando que o Papa Francisco "faz votos de máximo êxito nos trabalhos desta Comissão e envia a todos os participantes a sua saudação". (JSG)