Primeira Ministra escocesa pede fim do anticatolicismo

 

Glasgow - Escócia (Terça-feira, 04-06-2019, Gaudium Press) Nicola Sturgeon, primeira ministra da Escócia, condenou as manifestações anticatólicas acontecidos em dois atos de vandalismo cometidos em uma mesma semana.

Primeira Ministra escocesa pede fim do anticatolicismo-Foto Convesation.jpg

Ela referia-se às pichações anticatólicos realizadas na paróquia da Sagrada Família, de Mossend, e a destruição de uma imagem religiosa católica e de velas que os fiéis haviam acendido diante da Igreja de São Simão, em Glasgow.

"A discriminação anticatólica não pode ser tolerada"

Ao rejeitar os atos de vandalismo como fonte de indignação para o país, a primeira ministra ordenou à polícia que investigasse com firmeza mente estes incidentes e que fossem investigados também os motivos que venham a ser alegados pelos autores.

"Temos que ser claros", disse Nicola Sturgeon , porque "a discriminação anticatólica, ou neste caso possivelmente antipolonesa, não pode ser tolerada".

De um modo diferente do que costuma ser uma característica entre os governantes, a primeira ministra escocesa comparou os fatos com atos de discriminação cometidos contra outras religiões e que são frequentemente condenados com mais força em outros países ocidentais: 

"Como o anti-semitismo ou a islamofobia, a discriminação anticatólica é um flagelo da sociedade e deve ser erradicada".

As autoridades, disse Nicola Sturgeon, reiteraram seu compromisso de "ir mais além do que o governo escocês pode fazer para garantir a segurança de todas as comunidades de fé e seus locais de culto".

Esta é a segunda vez que membros do governo escocês condenam abertamente atos de violência cometidos contra católicos.
Em 2018, quando um sacerdote foi atacado durante quando era realizado um desfile protestante da Ordem Laranja, o Ministro da Justiça, Humza Yousaf, condenou o fato fazendo comparações para explicar sua posição: "se fosse um imã ou um rabino que tivesse sofrido os abusos na forma como supostamente foi o Pe. Thomas White, sem dúvida, teria havido uma condenação universal do fato. " (JSG)

(Da Redação Gaudium Press, com informações AICA)