Papa, no Angelus: a Missão é baseada na oração e traz alegria

 

Cidade do Vaticano (Segunda-feira, 08-07-2019, Gaudium Press) Na reflexão que o Papa Francisco fez antes da Oração Mariano do Angelus, neste domingo, 07/07, o tema tratado foi baseado no Evangelho proposto pela Liturgia para o XIV Domingo do Tempo Comum.

Papa, no Angelus-a Missão é baseada na oração e traz alegria.Foto Vatican News.jpeg

Os fiéis presentes na Praça São Pedro ouviram Francisco afirmar que a missão, de todos nós, é baseada na oração, não limitada, porém, às nossas necessidades.
Para ele, a oração precisa ser "itinerante, requer desapego e pobreza, leva a paz e cura". Uma oração que é anúncio e testemunho.

O trecho do Evangelho de São Lucas (Lc10,1-12.17-20), apresenta Jesus enviando seus 72 discípulos, além dos 12 apóstolos, para pregar a Boa Nova.

O Papa comentou que o número 72 indica provavelmente todas as nações e representa "a missão da Igreja de anunciar o Evangelho a todas as pessoas".

O Pontífice recordou que Jesus disse para aqueles discípulos: "A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos! Rezem, então, ao Senhor da messe para que mande trabalhadores na sua messe! ".

Pedido sempre atual

Segundo o Papa, "Esse pedido de Jesus é sempre válido. Sempre devemos rezar ao 'dono da messe', isto é, Deus Pai, para que mande operários para trabalhar no seu campo que é o mundo. E, cada um de nós, deve fazê-lo com o coração aberto, com uma atitude missionária; a nossa oração não deve se limitar somente ao que precisamos, às nossas necessidades: uma oração é realmente cristã se também tiver uma dimensão universal."

Missão é oração

Ao enviar os 72 discípulos, disse o Papa, Jesus deu instruções precisas que expressavam as características da missão. Entre elas: rezar, ir ao encontro das pessoas e levar a paz.

Para Francisco " Esses imperativos mostram que a missão é baseada na oração; que é itinerante; que requer desapego e pobreza; que leva paz e cura, sinais da proximidade do Reino de Deus".

A missão, disse ele, (...) requer a franqueza e a liberdade evangélica de ir embora demonstrando a responsabilidade de ter rejeitado a mensagem da salvação,(...).

Missão e a alegria de ter o "nome escrito no Céu"

Para Francisco, sendo vivida como deve ser, "a missão da Igreja será caracterizada pela alegria" de ser discípulo. E, não se trata de "alegria efêmera que vem do sucesso da missão; ao contrário, é uma alegria enraizada na promessa feita por Jesus nos Evangelhos: ‘os vossos nomes estão escritos no céu'".

O Papa recomendou por fim, " Cada um de nós pode pensar no nome que recebeu no dia do Batismo: esse nome está "escrito no céu", no coração de Deus Pai. E é a alegria desse dom que faz de cada discípulo um missionário, aquele que caminha em companhia do Senhor Jesus, que aprende com Ele a se dedicar sem restrições pelos outros, livre de si mesmo e dos próprios bens. " (JSG)


(Da Redação Gaudium Press, com Informações VaticanNews)