A universalidade da lei natural

 

Redação (Quinta-feira, 06-02-2020, Gaudium Pres) A lei natural é universal e igual para todos os homens, pois possuem a mesma natureza racional criada por Deus.

A universalidade da lei natural-Foto Arautos do Evangelho.jpg
A Lei Natural está inscrita no
íntimo do coração humano.
Foto: Arautos do Evangelho

Ela está inscrita no íntimo do seu coração e tem seu papel no desenrolar dos acontecimentos históricos e no aperfeiçoamento de todas as potências da alma e do corpo que refletem, por sua vez, em todas as atividades e instituições humanas.

Estimula o crescimento da pessoa

Na verdade, o caráter de universalidade e obrigatoriedade moral estimula e impele o crescimento da pessoa.

Para se aperfeiçoar na sua ordem específica, a pessoa deve praticar o bem e evitar o mal, deve vigiar pela transmissão e conservação da vida, aperfeiçoar e desenvolver as riquezas do mundo sensível, promover a vida social, procurar o verdadeiro, praticar o bem, contemplar a beleza (JOÃO PAULO II, 2002: 5).

É uma lei universal que não admite privilégios nem distinções de raças, sexo, idade ou fortuna.

Bússola que norteia

Ela não precisa ser promulgada para ser conhecida pelos homens, por isso não pode ser objeto de uma ignorância invencível.

Esta universalidade se impõe a todos os homens de todas as épocas.

Ela respeita, no entanto, a individualidade, unicidade e a irrepetibilidade de cada ser humano.

Ela abraça pela raiz todos os atos livres, e é uma bússola que norteia os atos humanos rumo ao fim último.

Essa mesma universalidade, em vez de ser um entrave para o desenvolvimento do gênero humano, pede que todos procurem a perfeição em suas atividades e realizem um progresso no conhecimento da verdade e das ciências em todos os campos.
(JOÃO PAULO II. Discurso aos participantes na Assembleia Geral da Academia Pontifícia para a Vida. 27/2/2002 In: AAS 94 (2002)).


Por Pe. Leopoldo Werner, EP