A polêmica com o progredir da história e a solução paulina

 

Redação (Segunda-feira, 10-02-2020, Gaudium Press) Existe um debate em torno da existência ou não de um progresso linear na História.

Alguns defendem uma evolução cíclica, outros, porém, consideram haver uma progressão, um trajeto rumo a um auge, tais como Hegel, Fichte, Schelling, ou Spencer.[1] 

A polémica com o progredir da história e a solução paulina-Foto Arquivo Gaudium.png
São Paulo nos diz: sim, há um progresso na história.
Há uma evolução da história"
Foto Arquivo Gaudium Press

Mistura-se muitas vezes esta ideia com um conceito de evolucionismo adaptado de Darwin e aplicado à sociologia e mesmo à História.

Alguns visaram uma alternativa, como Marx e Engels no materialismo histórico. Segundo eles, "a História não é um progresso linear e contínuo, uma seqüência de causas e efeitos, mas um processo de transformações sociais determinadas pelas contradições entre os meios de produção (a forma da propriedade) e as forças produtivas (o trabalho, seus instrumentos, as técnicas)".[2] 

Spengler, na sua obra sobre A Decadência do Ocidente, apresenta as civilizações "como ciclos cerrados, onde a experiência humana surge, desenvolve-se, atinge o apogeu, entra em crepúsculo, definha e morre".[3]

Nos nossos dias, estas perspectivas acabaram por fenecer e reconhecem-se pressupostos axiológicos geradores das civilizações, impossíveis de isolar, entre os quais se encontram as fontes espirituais[4].

Ratzinger, na sua obra Introdução ao Cristianismo, defendia que na perspectiva cristã "existe uma única história completa do mundo, a qual mantém um rumo geral e vai "adiante" com seus altos e baixos, nos progressos e regressos que a assinalem"[5].

E afirma: "O cristão tem certeza de que a história avança; ora, avanço, progresso exige o definitivo da direção - eis o que distingue o cristão do movimento em círculo, que não leva a meta nenhuma"[6].

Em 2006, já como Pontífice, ao comentar a passagem: "todas as coisas foram criadas por Ele e para Ele" (Col 1, 16), Bento XVI salientou que, com estas palavras, São Paulo "indica uma verdade muito importante: a história tem uma meta, tem uma direção.

A história caminha para a humanidade unida em Cristo, vai assim para o homem perfeito, para o humanismo perfeito. Com outras palavras São Paulo nos diz: sim, há um progresso na história. Há - se quisermos - uma evolução da história"[7].

Por Pe. José Victorino de Andrade, EP  

..................................................................

[1] A este respeito ver o 12º capítulo de ABBAGNANO, Nicola. História da filosofia. Lisboa: Presença, 2002. Vol. 11.

[2] CHAUI, Marilena. Convite à filosofia. São Paulo: Ática, 2000. p. 537.

[3] REALE, Miguel. Filosofia do fireito. 19a. ed. São Paulo: Saraiva, 2002. p. 232.

[4] Loc. Cit.

[5] RATZINGER, Joseph. Introdução ao cristianismo. São Paulo: Herder, 1970. p. 154.

[6] Ibíd., p. 124.

[7] "[...] indica una verità molto importante: la storia ha una meta, ha una direzione. La storia va verso l'umanità unita in Cristo, va così verso l'uomo perfetto, verso l'umanesimo perfetto. Con altre parole san Paolo ci dice: sì, c'è progresso nella storia. C'è - se vogliamo - una evoluzione della storia". (BENEDETTO XVI. Udienza generale: Mercoledì, 4/1/2006. In: Insegnamenti, II, 1 (2006). p. 11. Tradução minha).