Deficientes visuais são assistidos por trabalhos sociais da Igreja

 

Cidade do Vaticano (Quinta-feira, 10-05-2012, Gaudium Press) A Igreja Católica está à frente no tratamento, na assistência e na promoção social e econômica de pessoas portadoras de deficência visual.

O assunto foi debatido durante um congresso internacional de estudo, realizado no Vaticano. Foram dois dias de

Deficientes visuais.jpg
Deficientes visuais recebem atenção especial da Igreja Católica
aprofundamento pastoral e científico, sobre o tema "O Deficiente Visual: que eu possa ver novamente", realizado em colaboração com a Fundação O Bom Samaritano e o Pontifício Conselho da Pastoral para os agentes de saúde.

Nos países economicamente desfavorecidos, se registra uma grave carência de profissionais especializados. Se nos Estados Unidos e na Itália se estima que exista um oftalmologista a cada 12 mil habitantes, na Etiópia, por exemplo, existe um a cada um milhão.

Por outro lado, no Brasil, os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) levantados no ano 2000, mostram que 16,6 milhões de brasileiros têm algum grau de deficiência visual e quase 150 mil se declararam cegos.

Diante dessa realidade, a Igreja Católica tem se mostrado próxima a essas pessoas promovendo sua inclusão nas comunidades e desenvolvendo projetos para a melhora na qualidade de vida delas.

Ação da Igreja

Um dos exemplos é o Instituto Padre Chico. Criado em 1927, a instituição atende crianças com baixa visão ou completamente cegas com idades entre seis meses e nove anos. Além do ensino do método braile, as crianças têm toda formação geral dos primeiros anos escolares. Existem ainda programas de integração e mobilidade, visando a

Dom Vilson.jpg
Dom Vilson Oliveira é Bispo Referencial da Catequese da CNBB
independência do deficiente visual e a orientação profissional que explore as aptidões de cada pessoa.

No campo da evangelização foi desenvolvida uma catequese especial, visando facilitar o aprendizado da Palavra de Deus através do método braile. Segundo o Bispo de Limeira e Referencial da Catequese no Regional Sul 1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, (CNBB), Dom Vilson Oliveira, o objetivo desta catequese não é apenas orientar as crianças, mas também os jovens. "A Igreja busca oferecer uma catequese apropriada em seu conteúdo e recursos, sem reduzi-la ou simplificá-la. Procuramos fazer essa integração do deficiente visual nas comunidades para que ele seja membro participante e atuante, dando seu contributo para sua comunidade de fé".

Dom Vilson representou o Brasil no Congresso Internacional de estudo sobre o Deficiente Visual. Em sua palestra, o prelado falou sobre o empenho eclesial a serviço dos deficientes visuais. "A palestra teve o objetivo de chamar a atenção para o acompanhamento dos deficientes, e ao mesmo tempo questionar a nossa responsabilidade para a garantia de seus direitos, estando do lado deles, formando essa pessoa para a vida futura".
Ele disse ainda que o objetivo é "garantir condições de vida e saúde, a efetivação das leis e o acesso às escolas. Destacamos a importância da família na vida dos deficientes visuais, o papel das organizações não governamentais e a responsabilidade de toda a sociedade".

Materiais para deficientes visuais

A Bíblia em braile é um grande volume que chega a um metro de altura se empilhada, mas os deficientes visuais podem ter acesso a esses textos e aos materiais catequéticos fazendo a solicitação à CNBB pelo e-mail: [email protected].

Dom Vilson deseja que as comunidades locais estejam abertas para o acolhimento dos deficientes visuais, a fim de que eles se sintam partes integrantes da Igreja. Para isso, são necessários mais voluntários envolvidos neste trabalho. (LB)