França retira de praça imagem de S. João Paulo II

 

Ploërmel - França (Terça-feira, 12-06-2018, Gaudium Press) A imagem de São João Paulo II, colocada em logradouro público na pequena cidade de Ploërmel, viola uma lei francesa de 1905 sobre a separação Estado-Igreja.

França retira de praça imagem de S. João Paulo II .jpg

É o que afirmam as autoridades da cidade de Ploërmel, na Bretanha, para justificar a retirada de um monumento e posterior transferência para um terreno privado. A escultura de 13 toneladas foi deslocada cerca de 30 metros por uma grua.

O fato aconteceu ontem, segunda-feira, 11 de junho, após uma polêmica provocado pela presença da imagem em um local "público".

Justificativa para a "Solução" encontrada para o caso Ploërmel

O pároco de Ploërmel, padre Christophe Guégan, espera que a decisão "traga a paz para a cidade".

Para ele "Este é o resultado, o colocar-se em conformidade com a lei francesa, o respeito pela laicidade e pela decisão do Conselho de Estado".

A remoção da imagem é o resultado de uma ação movida por alguns habitantes de Ploërml e pela Associação de Pensamento Livre, para que fosse removida uma cruz em um local público.

Segundo a sentença resultante dessa ação, a escolha do local violou uma lei de 1905, agora desenterrada, que proíbe "a criação ou afixação de qualquer sinal ou emblema religioso" em um "lugar público".

Uma vez instalada em terreno privado --até que descubram outra lei que proíba a permanência da escultura no local onde agora está-- a imagem do Papa, em tese, deixa de infringir avelha lei de 1905.

A prefeitura, a diocese e a remoção

A prefeitura da cidade bretã -que tem 9.000 habitantes- havia aprovado no último dia 2 de março, a transferência para a diocese de 20.000 euros para o deslocamento do monumento de bronze de 7,50 metros de altura, instalado no estacionamento público por quase 12 anos.

O monumento já havia sido contestado antes mesmo de sua construção, em 9 de dezembro de 2006, exatamente 101 anos após a promulgação da antiga lei francesa de separação entre Igrejas e Estado, que de tão pouco usada, parecia, mais que perempta, ab-rogada. (JSG)