Missa no Rio homenageia Cardeal Eugenio Sales

 

Rio de Janeiro (Quarta-feira, 11-07-2018, Gaudium Press) A cripta da Catedral de São Sebastião, no Centro, acolheu centenas de sacerdotes e fiéis no último dia 10 de julho a Santa Missa pelos seis anos de falecimento do Cardeal Eugenio de Araujo Sales, presidida pelo bispo auxiliar emérito Dom Assis Lopes.

Missa no Rio homenageia Cardeal Eugenio Sales .jpg

Durante a cerimônia, Dom Assis declarou: "todas as vezes que eu venho aqui na Catedral, mesmo com a porta da cripta fechada, rezo pelos nossos irmãos que repousam na paz do Senhor, dentre eles, Dom Eugenio de Araujo Sales".

"E por que eu rezo aqui?", perguntou. "Porque a virtude da gratidão não cai do céu e nem brota do chão. A gente aprende a ser grato e na nossa vida o mais importante é sabermos agradecer por aquilo que recebemos. E nós tivemos a graça de tê-lo entre nós", respondeu.

Uma das virtudes que o bispo auxiliar emérito sempre admirou no Cardeal Sales era a obediência a Deus e a Igreja. "Era um pastor obediente. Com esta celebração pedimos ao Senhor por Dom Eugenio para que ele possa ouvir: ‘servo bom e fiel; já que foste fiel no pouco, eu te confiarei muito. Vem regozijar-te com teu Senhor', pois, certamente, ele já está na alegria do Senhor".

Segundo Dom Assis, Dom Eugenio dedicou-se inteiramente pelo anúncio do Evangelho e pelo povo de Deus com as mais diversas causas sociais não somente no Rio de Janeiro, mas também em Natal, no Rio Grande do Norte, e em Salvador, na Bahia.

"A vida de alguém que está a frete de uma arquidiocese não é fácil. Diante de tantos problemas e dificuldades, aquele que conduz precisa ter uma vida de oração constante. Por outro lado, sabemos que a vida daquele que escolhe servir o Senhor é pautada por dificuldades, um carregar constante da Cruz, e isso não deveria ser novidade para nós. Mas é preciso saber que quem conduz a Igreja de Deus é Ele e nós temos que tomar cuidado para não atrapalhar. Dom Eugenio disse sim ao convite que o Senhor o fez e sabia que quem conduzia a obra era o próprio Deus, em especial, nos momentos mais difíceis de seu pastoreio", acrescentou.

No final, Dom Assis, em nome de toda a Igreja, agradeceu a Deus pela vida e legado de Dom Eugenio, e em seguida, revelou: "aqui nesta missa testemunhamos a presença de muitos padres ordenados por ele. Esses sacerdotes são extensões de todas as boas ações que ele realizou aqui no Rio e esta celebração é de gratidão por esse pastor que por aqui passou sendo amigo do Senhor e sabendo carregar a Cruz. Peçamos a Deus por Dom Eugenio que serviu a Igreja de Deus", concluiu. (LMI)

Da redação Gaudium Press, com informações da Arquidiocese do Rio de Janeiro